segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Sobre fazer 25

Aos 24 anos de idade, ao invés de estar me preparando para sair da casa dos meus pais, estou mobiliando e decorando meu quarto como o de um adolescente no Ensino Médio (como eu sempre quis, mas nunca pude fazer). É que hoje considero que esteja me estabilizando financeira e profissionalmente. O que não aconteceu antes por diversas escolhas erradas que fiz ao longo da minha vida, mas que, apesar de erradas, me trouxeram até onde estou hoje e contribuíram para que eu fosse quem sou. Portanto, não me arrependo tanto.

Quando contei pra alguém que havia comprado uma cama de solteiro para substituir a atual cama de casal do meu quarto, disseram que eu estou fazendo o caminho inverso ao restante da humanidade, cujo "normal" seria trocar a cama de solteiro pela de casal. Mais uma prova de que eu não seja alguém muito normal (risos).

Mas, este texto é para falar especialmente sobre o fato de eu ser um cara de 24 anos que ainda não se sente preparado para crescer. Já escrevi sobre isso aqui no Blog, mas essas crises reflexões têm vindo me atormentar novamente por estes dias, pelo fato de que nesta semana, eu serei obrigado a crescer, e isso contra minha vontade! É... Dia 21 eu tenho que fazer 25 anos. [¬ ¬']

É claro que as responsabilidades da vida vêm aumentando de forma involuntária há algum tempo. As funções de maior confiança têm sido atribuídas a mim no ambiente de trabalho, estou alcançando títulos de formação com os quais eu mesmo não havia sonhado, mas que não são vistos por mim com toda a congratulação que via nas outras pessoas quando esses mesmos títulos lhes eram atribuídos. Fato é que eu não me vejo como um adulto!

Em contrapartida, não quero festinha "surpresa" de aniversário, mas também não quero que a data passe em branco (acho isso depressivo triste). Escolhi, por livre e espontânea vontade, passar o dia do meu aniversário trabalhando, ao invés de descontar um dia das minhas férias para folgar no dia 21, e ainda não tenho nenhum plano para a noite dessa data.

Acho que, apesar de parecer que nada muda, os 25 anos transmitem uma ideia de maturidade, seriedade. Eu mesmo conheço pessoas de 24 anos com quem consigo me identificar perfeitamente, mas quando conheço alguém de 25 (pra mais), é como se essa pessoa fizesse parte de um outro círculo, meio fora de alcance pelos menores de 25, pessoas que já fizeram "a passagem" ou coisa do tipo (risos).

Não estou pronto pra fazer 25. Parece que esse número nem combina comigo.

Não quero fazer 25. Quero continuar sendo o garoto que gosta de fazer coisas que normalmente os adultos param de fazer quando crescem.

Cheguei à conclusão de que a única forma de não fazer 25 seria morrendo na quarta-feira, dia 20. Mas, a vida aos 24 tem sido tão boa que passa longe de mim a possibilidade de morrer agora.

Foi aos 24 que eu me abri para conhecer coisas que eu jamais havia experimentado antes. Decidi abrir mão do julgamento das pessoas... Sofri? Sim. Com certeza! Chorei? Óbvio! E graças a Deus que tive lágrimas para colocar para fora tudo o que estava preso aqui dentro! Mas, principalmente, foi aos 24 que eu me permiti V-I-V-E-R. Eu amo meus 24 anos! Não queria que eles acabassem.


Pensando bem, a verdade é que eles (os 24) sempre estarão aqui. Cada experiência, cada mudança que vivi ao longo desse ano se eternizaram na história da minha existência, e não há nada que apague tudo o que vivi. Creio que ao invés de lamentar a chegada da velhice (os 25), o que eu preciso fazer é aceitar os novos desafios, aderir à necessidade de amadurecer (sim!), mas ver meus 25 anos como uma ótima (perfeita) oportunidade pra fazer tudo de novo, ou então, fazer melhor ainda do que já fiz aos 24. Pensar assim é ótimo! Enche meu coração de esperança, de vontade de viver!

Quer saber? Que venham os 25, 26, 27, 28, 29, 30... Mas, que venham com crescimento, novas conquistas, maturidade (não velhice), realizações, viagens, histórias, música, amigos e principalmente FELICIDADE. Porque o que faz a vida valer a pena é ser (e fazer alguém) feliz.

Douglas ;)

4 comentários:

  1. Quanto tempo Douglas!
    Eu quero ficar nos meus 23, não porque não quero crescer, mas justamente pq me sinto muito velho e ainda não ter feito metade das coisas que pessoas nessa idade já fizeram...

    É errado pensar assim, sim é. Afinal todos temos nosso próprio tempo e pra tudo há seu tempo certo, mas fico meio apreensivo, do tipo: - Estou envelhecendo e preciso conquistar tantas coisas, e minha independência? gente parece tão longe....

    #Desespero

    ResponderExcluir
  2. Doug, assim que tu me mandou o link avisando que tinha post novo eu corri pra ler. Eu sempre fico incrivelmente feliz ao ler novas palavras escritas por ti (sejam elas um post novo, um capítulo novo ou nossas conversas no whatsapp) e dessa vez não foi diferente.

    Eu li teu post e fiquei extremamente pensativa.
    Como a gente tem medo de crescer, né? Isso sempre me passa pela cabeça.

    Às vezes o simples fato de nos rotularem como "adultos" por termos passado dos 20 não parece nos caber. Sei bem. Me sinto da mesma forma.

    Passei todo o texto pensando e lembrando de como eu tenho me sentido. Daqui alguns meses completo 21 anos e ainda não tenho previsão de estabilidade financeira, sair da casa da minha mãe nem nada do tipo. Além disso, dentro de mim eu ainda me sinto apenas uma menina. Acho que é mais ou menos assim que tu deve se sentir (apesar de ter um emprego, se virar, parece que esse ~mundo dos adultos~ não nos aceita muito bem, né?)

    O caso é que, da mesma forma que tu termina teu texto, repito: crescer é indispensável. Não tem como dispensar isso, pular a fase, permanecer pra sempre criança. Bom seria se desse pra ficar sempre na infância, com a ingenuidade que nos faz ver o mundo mais colorido. Mas crescer também tem lá suas vantagens. E quem disse que crescer quer dizer necessariamente deixar de lado nosso lado criança? Nada disso! Crescer significa que temos responsabilidades, contas pra pagar, acertos pra fazer... Mas não devemos esquecer de sorrir, nos divertir e ver a vida com mais otimismo.

    Devemos permanecer felizes por termos oportunidade de viver mais um ano.

    <3

    ResponderExcluir
  3. Adorei a forma com que você escreve. Fiz 27 recentemente, normalmente eu me avalio olhando um pouco mais para trás. Ali pelos 17...18.... Quanta coisa muda. Ainda gostamos de algumas coisas do passado, mas outras tão simples (como uma promoção de leve 3 e pague 2 do seu desodorante favorito é caro ser algo que te deixa feliz). O tempo muda e nos mudamos com ele.

    Continue escrevendo <3

    ResponderExcluir
  4. Adorei a forma com que você escreve. Fiz 27 recentemente, normalmente eu me avalio olhando um pouco mais para trás. Ali pelos 17...18.... Quanta coisa muda. Ainda gostamos de algumas coisas do passado, mas outras tão simples (como uma promoção de leve 3 e pague 2 do seu desodorante favorito é caro ser algo que te deixa feliz). O tempo muda e nos mudamos com ele.

    Continue escrevendo <3

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!
Não esqueça de deixar o link do seu Blog para que eu possa retribuir a visita, ok?!