quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Qual o valor da espera?


Poucos que seguem o Blog sabem, mas eu também canto.

Não almejo fama, apenas realização suficiente de alguém que consegue ver o fruto do seu trabalho. Hoje, um de meus maiores sonhos é entrar em um estúdio, ver minhas músicas produzidas em minha própria voz.

Nos últimos dias (semanas), tenho me sentido um pouco triste, e se você me perguntar o motivo, talvez eu não saiba responder. Penso que seja pela morte de um amigo que também cantava muito bem, mas que não viu o seu sonho se tornar realidade.

O fato é que de uns tempos pra cá toda a segurança que eu tinha parece ter sido um pouco abalada. Não posso culpar alguém, aliás, acho que não existe um culpado. Creio que seja apenas mais uma daquelas fases da vida que a gente precisa enfrentar pra depois poder contar em forma de experiência de vida, seja pros nossos filhos ou pra algum amigo que esteja na pior. Só que, sempre que entro nessas fases, eu sinto como se entrasse em um estado de espera.

Primeiro, espero que essa fase passe logo e que um novo dia amanheça, fazendo com que as nuvens negras deem espaço para que o sol da manhã possa brilhar (isso, no sentido emocional, porque com o calor que tem feito no Rio, tudo o que eu peço são dias nublados).

Segundo, espero pra que consiga cumprir deveres que ainda estão pendentes. Só assim poderei dar lugar em minha vida para o novo! E como o novo é bom! Viver um novo tempo, novos lugares, novos ânimos, novas forças...

Terceiro, espero pelo futuro. E pra entender o que eu espero, vou me referir a uma grande cantora que poucos sabem que eu admiro: Paula Fernandes. Estava assistindo ao programa Altas Horas, da Rede Globo, em um sábado qualquer e ela estava lá. Foi exibido um vídeo da cantora, ainda criança, cantando na frente de uma câmera caseira, meio desajeitada. Quando o vídeo acabou, todos riram pela nostalgia trazida pelas roupas esquisitas do passado e tudo mais, só que a Paula estava pensativa.

O apresentador do programa, o Serginho Groisman, perguntou algo como: "O que você pensa quando vê essa cena?", e ela, emocionada, respondeu: "Eu penso que essa menina é uma vencedora!". Na hora, eu não consegui prestar atenção no restante de tudo o que ela falou, pois minha mente fazia uma oração: "Deus, um dia, eu quero olhar para mim mesmo e dizer: 'Esse menino é um vencedor!'".

E eu espero por isso.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Mudança e Segurança

É... Não precisa falar! Eu sei que tô ausente do Blog há, pelo menos, duas semanas. Só que alguns fatores contribuíram pra que eu não aparecesse, ok? Primeiro: Viajei para uma região de Minas Gerais junto com a Equipe do Freedom. Segundo: Preguiça. É! Preguiça. Nessa correria de Viagem-ENEM-Workshop, a última coisa que eu queria era parar na frente no meu Notebook para escrever qualquer coisa (Imagina a minha cara...).


Eu ainda vou postar as fotos da viagem que fizemos, só que tô sem saco paciência pra selecionar as melhores, contar detalhes, relembrar... Enfim, quero dizer que estou em uma nova fase da minha vida. É um tempo de mudança (e isso não se refere ao Blog, ok?). Não escondo de ninguém que sou Cristão e tenho Deus como base de tudo (se você ler minha biografia ali no canto do Blog você vai ver). E nesse tempo, parece que Deus tem fechado e aberto portas para mim.

Sabe aquelas coisas que a gente não consegue explicar? São aqueles momentos em que tudo parece estar te direcionando para algo novo, diferente de tudo o que você já viveu até aqui. E quando o assunto é Deus, a gente não consegue MESMO entender! Porque Ele é muito maior do que a nossa compreensão. Ele faz como Ele quer, quando Ele quer e se Ele quiser. Ele é Deus. E quem somos nós pra tentar limitá-lo?

Então... Um dia eu disse pra Deus que Ele podia fazer de mim o que quisesse. Você pode estar pensando: "Você é louco! Dizer pra Deus fazer de você o que Ele quiser... Sai pra lá! Nunca que eu faria isso". Só que eu entendo o seguinte: Deus não é esse aí que você vê na televisão pedindo dinheiro, nem esse que te acusa dos seus erros dizendo que você vai pro inferno, entendeu?

Deus é o cara que, antes de tudo, é amor! Se não tem amor, não tem Deus. E Ele me ama desde muito (muuuitooo) antes de eu conhecê-lo ou amá-lo. Tudo o que eu sei é que esse Deus com quem eu converso e convivo todos os dias é o cara que quer sempre o melhor pra mim! Ele está muito acima do tempo e do espaço. Ele já está lá no futuro me esperando chegar na linha que demarca minha vitória, e ao mesmo tempo, está no presente, me tomando pela mão e guiando meus caminhos. É por isso que eu amo a Deus! (E não só por isso, mas se eu fosse dizer tudo aqui, não caberia no Post...).

Talvez, quando você começou a ler, tenha me visto com uma cara de tédio (e eu realmente estava), só que quando eu comecei a pensar em quem Deus tem sido na minha vida, tudo o que Ele tem feito sem que eu mereça (promessas feitas, promessas cumpridas, sonhos realizados, certeza e segurança de um futuro), meu coração começou a sentir muita euforia! Tudo isso é pela certeza de que meus dias estão escritos em Suas mãos. Eu estou bem firme e nada pode me abalar.

E você? Já falou com Deus sobre suas preocupações hoje? Ele está te esperando.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Eu li "Jogos Vorazes"

"Matar ou morrer. Não há escolha.
Na arena, o mais capaz vence.
Que os Jogos Vorazes comecem!"

Quando peguei "Jogos Vorazes" na última Segunda-feira (07/10) estava disposto a ler até o fim. Eu já tinha tentado ler uma vez, mas parei antes de terminar o primeiro capítulo. Precisava me dar um tempo para assimilar o estilo Suzanne Collins de escrever. Para ela, uma caverna é uma caverna, uma floresta é uma floresta, uma tempestade é uma tempestade. Talvez por ser uma história dinâmica que ocorre em um curto período de tempo (três semanas, em média), a autora vai direto ao ponto, sem se preocupar em encher a imaginação do leitor com os detalhes em cena. Mas, logo acostumei e devorei o livro!

A HISTÓRIA

A história acontece onde um dia foi a América do Norte, um lugar no futuro, chamado Panem, dividido em 12 Distritos. Os Jogos Vorazes são uma competição promovida pela Capital como uma forma de controle sobre os 12 Distritos. Um menino e uma menina de cada Distrito, de doze à dezoito anos, são obrigados a lutar por sua sobrevivência, caso sejam sorteados para os Jogos.

A protagonista (e narradora) da história se chama Katniss Everdeen, que teria todas as probabilidades para ser sorteada para a competição daquele ano, mas sua irmã mais nova, Prim, é sorteada para representar o Distrito 12, onde moram. Katniss entra em desespero e se oferece para representar a irmã nos jogos, ao lado de Peeta Mellark, filho do padeiro. Os dois já se conheciam de vista, mas nunca haviam trocado uma palavra.

Após a seleção, Katniss e Peeta são levados para um breve período de preparação na Capital. Uma vez que os Jogos são transmitidos para toda Panem via televisão, a história envolve bastidores, estratégias de marketing por parte dos preparadores, estilistas, maquiadores, indo desde a forma como o extravagante apresentador Caesar Flickerman rege a entrevista dos tributos (os escolhidos para os jogos) até os mínimos detalhes das roupas e afeições de Katniss e Peeta diante do público.

O que surpreende a todos é o fato de Peeta declarar seu amor por Katniss. A garota fica confusa, sem saber se é uma estratégia para vencer os jogos ou se ele realmente a ama. Além disso, ela ainda se depara com os conflitos causados por seus próprios sentimentos a respeito do rapaz. O pior é que apenas um deles pode sobreviver na arena.

"Jogos Vorazes" é uma história envolvente que proporciona ao leitor uma incrível sensação de movimento em suas emoções, seja em quesito de aventura, romance ou ação. Você se sente mais do que um expectador ou um leitor, é como se você estivesse dentro da arena, sentindo medo, frio e fome com as personagens.

O decorrer da história é surpreendente! O leitor só precisa tomar cuidado para não perder a hora de seus compromissos ou a hora de dormir quando estiver lendo, pois os capítulos terminam com aventura e/ou mistério no ar, o que te leva a continuar lendo o capítulo seguinte e o seguinte, até chegar ao fim da história e ter sua curiosidade ou instinto aventureiro suprido.

Apesar de ser classificada como uma (sangrenta) literatura "infantojuvenil", eu adorei ler "Jogos Vorazes", indico para meus amigos e leria novamente.

O LIVRO

CAPA: Apesar de a capa não ser daquelas que a gente fica olhando e imaginando a história, ela é bonita e
condizente com a seriedade do livro. O destaque fica por conta da figura do broche de Katniss, com um Tordo (pássaro que se destaca na história), a imagem é dourada, em alto relevo e parece um broche de verdade.

DIVISÕES: O livro é dividido em três partes: "Os Tibutos", "Os Jogos" e "O Vitorioso", o que facilita a leitura. É quase como "Introdução", "Desenvolvimento" e "Conclusão". Para jovens leitores ou quem não tem o hábito da leitura é uma boa pedida.

TAMANHO DA LETRA: A grossura do livro pode assustar alguém que não esteja acostumado a ler, mas a letra dele é grande e as margens devem medir 1,5 cm. A coloração amarelada das páginas também ajuda a não cansar as vistas, o que facilita a leitura.

CURIOSIDADE: Em três semanas de Jogos, reparei que Katniss, apesar de descrever cada um de seus movimentos, nunca "vai ao banheiro".

ME DEU RAIVA: O livro não tem um final. Apesar de apresentar o vencedor dos jogos, é como se ainda houvesse um capítulo após o último. O restante da história vai ter que aguardar, porque não vou ler o seguinte ("Em chamas") agora.

MEU TRECHO FAVORITO:
"Está vendo aquela garotinha ali? Eu queria me casar com a mãe dela, mas ela preferiu um trabalhador das minas."
"Um trabalhador das minas? Por que ela preferiu um trabalhador das minas se podia ter você?"
"Porque quando ele canta até os pássaros param para ouvir."

DADOS DO LIVRO: 

Título original: "The Hunger Games".
Autora: Suzanne Collins.
Capítulos: 27.
Páginas: 397.
Editora: ROCCO (Jovens Leitores).
Preço: R$29,90 (Submarino)

sábado, 12 de outubro de 2013

Não pedi pra ser adulto!


Hoje é Dia das Crianças!!! Tá. Que diferença isso faz na minha vida? Haha!

Tirando as cobranças de presentes por parte dos meus sobrinhos (que são muitos), essa data já não faz nenhuma diferença para mim desde meus nove anos, eu acho. Por ser uma criança grande, de tamanho avantajado, acabei crescendo muito rápido em questão de mentalidade, tomando responsabilidades (nem sempre necessárias), andando com pessoas bem mais velhas do que eu, passei a não ser mais tratado como uma criança boba, e fui deixando a infância se esvair rapidamente entre meus dedos.

Nunca pensei que passaria tão rápido, até porque ninguém me avisou de forma convincente que era melhor aproveitar a infância, por ser uma fase incomparável da vida.

Eu nunca fui um menino que sonhava em crescer. Por mim, sacudiria a Sininho* e fugiria em direção à Terra do Nunca, com passagem só de ida! Porque crescer, pra mim, sempre foi sinônimo de assumir responsabilidades diante do mundo, de viver sem a proteção de alguém. Sinônimo de ter que merecer para receber qualquer benefício da vida.

O fato é que nunca pedi pra ser adulto. E hoje me encontro na condição de um. E agora? O que eu faço?

A resposta, eu encontrei dentro de mim:

"Agora é viver... Com um corpo de adulto, mas um coração de criança. É me surpreender com cada novo detalhe da vida, por mais simples que ele seja. Assistir centenas de vezes o mesmo filme, com um 'Felizes para sempre', até decorar as falas das personagens! Dançar na frente do mundo, como se estivesse sozinho, e falar o que vier à cabeça, sem medo de ser censurado.

É confiar, sem medo de que me deixem cair, ou que firam meus sentimentos. Brigar, perdoar (depois de alguns minutos e um abraço de desculpas), e voltar a brincar junto. É criar um mundo só seu, onde você se refugia em meio aos sonhos e imaginações, que jamais acabarão, porque ali tudo é eterno para você e aqueles a quem você ama, que nunca, nunca partirão."

A simplicidade da criança que há em cada um de nós não pode morrer.

Esse Post tomou um rumo completamente diferente do que eu tinha imaginado para ele inicialmente. Mesmo assim, decidi publicá-lo.

*Sininho: Personagem da história infantil "Peter Pan". Uma fada que, através de um pó mágico, dá  a capacidade de voar às pessoas que acreditam.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Minha PLAYLIST de Músicas {deprê}

Dando umas voltas pelos Blogs da vida, conheci um novo chamado Confissões de um Garoto e, de cara gostei, não só pelas coisas que o autor escreve, mas pelas ideias do próprio Blog! No Post mais recente, a proposta foi compor uma Playlist de Músicas para Curtir Sozinho.

Eu gostei tanto da ideia em conjunto com o tempo nublado (chuvoso) que tá fazendo aqui no Rio, decidi compor minha Playlist também! Fiquei mega feliz por ter pelo menos duas músicas nacionais entre elas! Amo minha língua! As músicas não seguem nenhuma sequência, ok?! Espero que curtam.


[editado]

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

100 Perguntas que você não fez {Meme}

Estava dando uma lida nos Blogs que sigo e encontrei esse meme no Bonjour Circus e decidi respondê-lo. A ideia de dividir em duas partes foi a melhor porque, realmente, ler 100 respostas é coisa de louco!

1. Você dorme com as portas do seu armário aberta ou fechada?
Geralmente fechadas, exceto quando o quarto está aquela bagunça, ou quando eu vou pegar alguma coisa dentro dele antes de dormir e estou tão cansado que capoto na cama, esquecendo a porta aberta. Só vejo que a porta ficou aberta quando já to deitado, então, ela continua aberta até o dia seguinte.

2. Você leva embora os shampoos e condicionadores dos hotéis?
Em meus longos 22 anos de vida, só fiquei literalmente hospedado em hotel uma única vez. Digo literalmente, porque outras vezes só fui passar o dia no hotel quando algum amigo meu estava hospedado lá. Sobre o hotel em que fiquei (em Londrina – PR), eu realmente poderia ter levado comigo os shampoos e condicionadores, se tivesse algum lá. Havia esquecido os meus em casa, e tive que pedir os de uma amiga emprestados.

3. Você dorme com seu edredom dobrado pra dentro ou pra fora?
Não faço a menor ideia do que isso significa.

4. Você já roubou uma placa de rua?
Não foi bem uma placa, e não foi bem um roubo. Deixem-me explicar. Quando morei em Minas Gerais (no tempo do CTM) o Banco Itaú, por onde passávamos todos os dias pra ir até a Padaria, estava em reforma, e eles haviam deixado por ali 5 estrelas que faziam parte da antiga placa do Banco. Eu e alguns amigos passávamos por ali num domingo, quando a rua estava praticamente deserta, daí peguei uma para colocar no quarto.

5. Você gosta de usar post-it?
Já gostei. Adorava marcar minha Bíblia com eles, anotando pensamentos e referências, frases, etc. Nunca os usei na intenção de agendar compromissos. Hoje, tenho raiva daquela colinha de trás.

6. Você corta cupons, mas depois nunca usa?
Não tenho esse hábito. Geralmente os lugares que eu frequento não costumam distribuir cupons.

7. Você prefere ser atacado por um urso ou um enxame de abelhas?
Apesar de também não querer ser atacado por nada... Acho que aguentaria mais firme as abelhas por ter a ideia de que estamos numa floresta (um urso e um enxame de abelhas não aparecem tão frequentemente em ambientes urbanos), acho que mergulhando em um rio qualquer (sem piranhas ou outros animais que possam me atacar) elas logo iriam embora. Não sei se funcionaria como nos desenhos animados que costumava assistir na infância, mas não custa tentar.

8. Você tem sardas?
Não. Mas acho muito legal quem tem.

9. Você sempre sorri para fotos?
Confesso que, entre amigos, minha reação imediata é sorrir ao ver uma câmera, quando estou sozinho e vou tirar fotos para o Instagram ou coisas do tipo, até tento fazer aquelas caras sérias de modelos pintosos, mas como não sou um deles, não costuma ficar muito legal. Então, acho que a resposta seria “sim”.

10. Qual é a sua maior neura?
Acho que minha maior neura é estar gordo. Na verdade eu sempre fui, desde que nasci. Minha mãe, por exemplo, até hoje enfrenta consequências do meu parto normal, pois eu era muito grande. Daí, cresci sempre maior do que as crianças da minha idade. Na adolescência eu emagreci tanto que não estava acostumado com a mudança no tratamento das pessoas (por exemplo, sentar do meu lado no ônibus – uma coisa que antes não faziam), minha mente continuava sendo uma “mente de gordo”. Quando comecei a me acostumar com tudo, em comprar roupas que cabiam em mim, sem ter que procurar muito ou fazer muito esforço pra que elas coubessem, comecei a engordar de novo, e assim estou. Todos os dias eu penso que preciso emagrecer, mas esse pensamento logo vai embora quando sinto aquela vontade de comer alguma coisa engordativa, mas volta quando vejo alguma foto antiga ou entro em algum loja de roupas.

11. Você já contou seus passos enquanto você andava?
Já, mas acabei esquecendo que estava contando e parei.

12. Você já fez xixi na floresta?
Acho que nunca cheguei perto de uma.

13. E quanto fazer coco na floresta?
Idem ao 12.

14. Você dança, mesmo se não tiver música?
Tenho música tocando na minha mente o tempo todo. Seja sozinho, em casa ou durante a aula com meus alunos, uma hora ou outra eu, literalmente, danço.

15. Você mastiga suas canetas e lápis?
Não. E odeio que façam isso (com as minhas).

16. Com quantas pessoas você já dormiu essa semana?
Minha mãe sempre diz: “Dorme com Deus”. Essa semana foi só com Ele.

17. Qual é o tamanho da sua cama?
Nunca medi, mas é uma grande de casal, que já foi da minha irmã.

18. Qual é a música da semana?
Tem tantas! Mas acho que uma nova que me apresentaram está se destacando: “You’ve Been a Friend” – Israel Houghton.


19. O que você acha de homens que usam rosa?
Acho nada. Ficando legal, que mal tem? Eu usava e a galera sempre elogiava. Depois que engordei parei de usar pra evitar comparações.

20. Você ainda assiste desenhos animados?
Eu até gosto, mas não é um costume.

21. Qual é o filme que você menos gosta?
Dos que eu assisti, tem um que me fez passar vergonha na casa de uma amiga. Desde então, detesto. Acho que era “O Jogo das 7 mortes”, alguma coisa assim. Era um BBB em uma casa velha, com um grupo de pessoas “nada a ver”, que não tinha história nenhuma, e alguém na casa (cheia de câmeras) matava um por um, só que ninguém sabia quem era o assassino. A forma de ataque era uma seringa. Odiei!

22. Onde você enterraria um tesouro escondido, se você tivesse algum?
Debaixo da minha cama, ué.

23. O que você bebe com o jantar?
Refrigerante (sempre). Isso faz entender melhor a resposta da nº 10.

24. No que você mergulha um nugget de frango?
Em nada. Prefiro puro.

25. Qual é a sua comida favorita?
Lazanha. Definitivamente, me confundem com o Garfield.

26. Quais filmes você poderia assistir várias vezes e continuar amando?
“A casa do lago”, porque amo e até hoje não entendo muito bem a cosmovisão lógica do filme. “Dreamgirls”, porque sou fascinado pelas músicas, roteiro, iluminação, figurino, fotografia e tudo mais do filme.
“Roubando vidas”, porque é sensacional e me traz ótimas recordações.

27. Última pessoa que você beijou/beijou você?
Acho que foi minha mãe (ontem).

28. Alguma vez você já foi escoteiro(a)?
Sempre quis, mas nunca tive oportunidade/coragem.

29. Você posaria nu em uma revista?
Pra quê? Revista de comédia? Animal Planet?

30. Quando foi a última vez que você escreveu uma carta para alguém no papel?
Em Agosto (se não me engano), mas não foi entregue porque a pessoa que entregaria “esqueceu” de levar e deixou o pacote com a carta com um terceiro. #Ódio!

31. Você pode trocar o óleo de um carro?
Se alguém me ensinar, acho que sim.

33. Alguma vez ficou sem gasolina?
Não.

34. Tipo favorito de sanduíche?
Um do Subway que não lembro o nome, mas gostei tanto que comi um de 30cm de uma tacada só!

35. A melhor coisa para comer no café da manhã?
Tudo!

36. Qual é a sua hora de dormir?

Até tento estipular um horário, mas nunca consigo seguir. Durmo quando o sono pesa (geralmente depois da meia-noite) e quando o dia tá meio parado, durmo. Acho que é um escape.

37. Você é preguiçoso?
Não gosto de ser, mas confesso que sim. Mais uma vez faço referência às minhas semelhanças com o Garfield.

38. Quando você era criança, o que você vestia para o Dia das Bruxas?
Roupa.

39. Qual é o seu signo astrológico chinês?
Sei lá. Na verdade, não acredito que os astros interfiram na minha vida, ainda mais os “astros chineses”.

40. Quantos idiomas você fala?
Só um.

41. Você tem alguma assinatura de revista?
Não. Apesar de querer ser assinante da SUPERINTERESSANTE desde criança.

42. Quais são melhores, Lego ou Logs Lincoln?
Não conheço Logs Lincoln, então fico com Lego (meu passatempo de infância na escolinha).

43. Você é teimoso(a)?
Definitivamente não. Sempre ouço as opiniões alheias e faço um balanço com a minha. Acredito que estou em constante crescimento.

44. Quem é melhor: Faustão ou Silvio Santos?
Uma vez que sou obrigado a assistir, por falta do que fazer aos domingos à noite (após a Igreja), prefiro o Faustão, não só pelo jeito esquisito dele, mas porque ele lembra muito o meu irmão mais velho. O Silvio Santos é um idoso em fase de “encaducamento”.

45. Já assistiu alguma novela?
Quase todas das 9h da Globo. Aqui em casa a televisão fica ligada 24h por dia.

46. Você tem medo de altura?
A maior altura que consigo (tremendo), é no banquinho de trocar lâmpada.

47. Você canta no carro?
Sempre! Quando meu pai foi me ensinar a dirigir, ele perguntou qual era a primeira coisa que deve se fazer quando entrar no carro e eu disse que era ligar o som. (Você já deve ter visto isso em algum seriado de TV, mas foi 100% espontâneo).

48. Você canta no chuveiro?
É algo lógico.

49. Você dança no carro?
Só mexendo a cabeça em alguma música que eu amo!

50. Alguma vez usou uma arma?
Quando fui fazer a audição do “Ídolos 2012”, eles pediram para deixar objetos pontiagudos do lado de fora. Na primeira vez eu não entendi o motivo, mas no dia seguinte, eu entendi perfeitamente. Quando você ouve um “Não!” depois de uma fila literalmente quilométrica, um dia inteiro esperando pra ser ouvido por 30 segundos e ouvir dizer que todo o seu preparo foi em vão, a primeira reação é procurar alguma arma pra matar o jurado. Mas isso ficou só na vontade e nos meus mais secretos pensamentos.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Se você é jovem ainda...


Quem nunca ouviu essas frases de forma preocupada e preocupante, da boca de outra pessoa?

"O mundo está mesmo um caos!"
"É o fim dos tempos!"
"Não tem mais jeito pro mundo!"

Parece que escolhem os piores momentos pra dizer essas coisas. É quando você está em meio a tantos projetos a serem realizados, sonhos pra sua vida que ainda não vieram à existência, mas que tinham tudo para dar certo! Isso, se você conseguisse, em meio a tantas palavras negativas em relação ao mundo e à nossa juventude, continuar acreditando que vale a pena sonhar e fazer a diferença aqui, né?

Se a gente for parar pra pensar na realidade dos telejornais sensacionalistas de hoje (e sempre),começamos a acreditar que realmente tudo o que fizermos de bom ao longo de nossa vida não valerá a pena. Parece que quando uma dessas frases que eu escrevi acima é proferida a nós, a mensagem que a nossa mente capta é:

"Já que o mundo está naufragando, vamos sentar e vê-lo afundar"

Eu confesso que já pensei em desistir por diversas vezes, achando que os tempos atuais eram ruins, simplesmente por estar cercado por pessoas de meia-idade que vivem repetindo aos quatro ventos: "Ah, como o meu tempo era bom!". Quando eles começam a falar, parece que no tempo deles não havia nada do que reclamar. Os programas de televisão eram melhores, as brincadeiras eram melhores, os passeios eram melhores, enfim, tudo era melhor! Eles ainda fazem questão de ficar comentando uns com os outros, como se a juventude de hoje nunca fosse capaz de ser feliz como os jovens de antigamente eram!

É claro que muita coisa caiu em questão de níveis de qualidade. A música é uma delas, afinal, não tem como comparar Barão Vermelho (Cazuza) com Michel Teló e Anitta! Só acho que o fato de falar negativamente sobre o futuro e o mundo no qual estamos vivemos hoje, retém nossa vontade de sonhar e acreditar que somos capazes de alcançar nossos sonhos, por maiores que eles sejam! Ao invés disso, por que essas pessoas não abençoam nosso futuro, ministrando a Palavra de Deus e Suas promessas sobre nós e tudo o que está em nosso coração?

Se a juventude do passado foi boa, a de hoje em dia também é! E seria melhor ainda, se não tivéssemos que, de tempo em tempo, ouvir comparações com o passado ou previsões do fim.

Se você é jovem ainda, não dê ouvidos quando dizem que não tem jeito, ou que o caos do mundo é maior do que qualquer solução! Afinal, nós estamos aqui pra quê? Vamos viver a NOSSA juventude crendo nos nossos sonhos e estimulando os sonhos dos outros (até daqueles que já não são mais jovens, mas que pararam de sonhar!), vamos aprender, hoje, a não falar mal sobre o futuro e sobre o mundo em que nossos filhos crescerão!

O que precisamos é de esperança! Ouvir as histórias de nossos pais como um fator motivador para que sejamos tão felizes quanto as gerações anteriores foram. Seremos os "mais velhos" que amam os mais jovens, servindo de ponte para os sonhos destes se realizarem. E que também façam isso conosco.

Combinado?!