sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Aprendendo a confiar


Pra você, é fácil confiar? Pra mim não.

Não sei se acontece só comigo, mas não tenho tanta facilidade em me abrir logo com alguém. Preciso de tempo, de provas. Preciso perceber que alguém é digno da minha confiança. Afinal, já quebrei muito a cara por tentar confiar em alguém quando sentia que não deveria. Foi aí que aprendi a confiar, mas confiar nos meus próprios instintos.

Cara! Se você sente que ainda não é hora, não faça! Espere seu próprio tempo para dar o próximo passo. É que a gente vive em um mundo tão imediatista, que acaba não percebendo o valor da es-pe-ra. (É... Quase não se vive mais essa palavra).

Esperar é necessário! Especialmente quando é por algo que vale a pena. E tudo tem o seu tempo certo.

Filosofando um pouco... Se você planta uma semente, é preciso esperar para que ela brote e a árvore cresça forte e saudável, a seu tempo. As frutas vão ter o tempo de nascer, crescer e amadurecer. Mas também haverá tempos em que a árvore ficará ressecada, as folhas cairão e o frio virá sobre ela. Mas esse não é o fim! No tempo certo a vida invadirá novamente aquela árvore, lhe restaurando as forças, a fertilidade, a primavera trará a ela a capacidade de florescer.

Esperar faz parte da vida (Percebe?) Portanto, se você sente que ainda não é hora de confiar, não sinta-se pressionado pela opinião de alguém (Caramba!). Espere pelo tempo em que seu coração te trará paz para seguir em frente. Na hora certa, não importa o que irão dizer ou pensar, você vai olhar pra frente e sentir que pode dar mais um passo, que todo o universo irá conspirar ao seu favor.

Com o passar do tempo tenho aprendido a confiar. E, graças a Deus (e aos meus instintos), tenho confiado nas pessoas certas, e isso não tem acontecido no tempo das pessoas, mas no meu próprio tempo.

Ainda acho difícil? Acho. Mas, com o passar dos dias e com as experiências vividas (as boas e as ruins), parece que você começa a olhar para aquela pessoa e sentir: "É... Eu posso confiar.".

Confiar é li-ber-ta-dor! Mas só é quando a pessoa em quem você confia corresponde sua confiança à altura.

Vale a pena confiar. Vale a pena acreditar que ainda existem pessoas dignas de confiança no mundo, que se importam com algo a mais além delas mesmas. Pessoas que sabem te ouvir e não sair por aí espalhando suas fragilidades. Pessoas que escolhem te amar apesar de você não ter mais nada para oferecer além da sua amizade.

Quem sabe, você só precisa SER uma dessas pessoas dignas de confiança pra que alguém (a seu próprio tempo) também possa confiar em você.

Estamos no caminho!

Douglas ;)

*Texto dedicado especialmente ao meu amigo Gabriel Camelo.

sábado, 21 de janeiro de 2017

26


A cada ano que passa eu me convenço de que a vida precisa ser comemorada com mais frequência do que apenas uma vez por ano, nos aniversários. As pessoas precisam se sentir especiais mais e mais vezes ao longo de seus dias. Fazer o que gostam, reunir aqueles a quem amam, serem elas mesmas (sem julgamentos alheios), ouvirem o quanto são admiráveis aos olhos de alguém...

Isso tudo faz tão bem para a alma! Mas, infelizmente, a cultura da sociedade é a de declarar o bem a alguém apenas em ocasiões especiais.

Imagine se algum dia as pessoas conseguissem tratar umas às outras como se todos os dias fossem o dia de seu aniversário! Dizer palavras de carinho, distribuir abraços, olhares afetivos, escrever cartões e dar presentes, levar café da manhã na cama, sair pra passear, deixar mensagens inesperadas no facebook dizendo o quanto alguém é importante para sua história. Não há dúvida de que assim seríamos mais felizes e viveríamos em um mundo melhor.

Quanto ao dia de seu aniversário, ele precisa ser o mais parecido com seus demais dias. Não em relação à monotonia das obrigações e a falta de declarações de carinho. Muito pelo contrário. Se todos os seus dias forem recheados com tudo o que eu já falei antes, seu aniversário será apenas uma extensão de toda a alegria que você já está costumada a desfrutar (e distribuir) no dia a dia.

Só assim você terá a certeza de que é alguém feliz não por um único (e curto) dia, mas que todos os seus dias são plenamente felizes.

Douglas ;)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Sonha, menino, sonha...

"Ocean meets sky" - Terry Fan

Na vida podemos fazer planos... Ou não. Podemos simplesmente estagnar. Mas, sinceramente, não foi essa a vida que eu projetei para mim. O problema é que às vezes a gente olha pra si mesmo e se vê como alguém "não importante". Quem vai querer ler nossos textos, ouvir nossas composições, ou simplesmente nossa voz interpretando uma canção com todo o coração? "Infelizmente, você não tem o X que a gente procura...".

Muitas vezes, a falta de oportunidade nos faz desacreditar de que nossos sonhos possam se tornar realidade. Mas, tudo o que é construído (e bem construído), respeitando o tempo certo para seguir adiante, rumo à próxima etapa, é mais duradouro do que tudo o que se conquista facilmente. Quantas pessoas enriqueceram tão rapidamente e logo se perderam em meio à própria fortuna, por não saber administrá-la? Quantos explodiram em uma fama sem fundamento e logo desapareceram com a mesma rapidez com que surgiram?

No último fim de semana eu estava assistindo ao documentário de alguém a quem admiro, que tem uma vida bem sucedida, apesar de inúmeras frustrações, porém, alguém que sempre teve quem investisse e acreditasse em seu potencial. Comecei a pensar como é fácil você ter tudo quando tem condições de pagar por aquilo. É fácil as pessoas quererem fazer as coisas para você quando você já está no topo, no sucesso absoluto. Infelizmente, as pessoas só querem apoiar o que já está dando certo. É tão difícil encontrar alguém que acredite em você quando nem você mesmo acredita mais!

São tantos sonhos... E, às vezes parecemos tão egoístas em querer que eles se realizem. Afinal, ninguém pode ter tudo o que deseja. Aprenda a lidar com suas próprias frustrações! Todo mundo tem as suas! Mas, isso é uma grande mentira. Você pode, sim, conquistar seus sonhos.

Talvez você não tenha dinheiro para publicar um livro, mas nada te impede de se dedicar a escrever suas histórias, como se elas pudessem ser publicadas. E por que não imaginar que uma grande editora está aguardando avidamente para ler e revisar o que você escreve, devido aos inúmeros fãs que aguardam pela publicação? Por que não escrever suas próprias composições e gravá-las à capela até que alguém que acredite em sua capacidade potencial se interesse por arranjá-las? Por que não gravar seus próprios vídeos editados por você mesmo de forma totalmente amadora (e dar o seu melhor nisso) até que alguém que super entende de edição se prontifique a editar para você?

Só não deixe de sonhar. Não deixe de projetar. Alguém vai querer ouvir sua voz, ler seus textos, ver seu sorriso em uma foto.

Assim, quando a oportunidade, o dinheiro, as pessoas certas aparecerem na sua vida, você vai estar pronto, preparado para realizar seus sonhos. Faço minhas as palavras que li no Blog da Jéssica:

"o mundo precisa das suas ideias. Não importa quantas pessoas estejam fazendo a mesma coisa, não importa se te chamam de egoísta quando você segue os seus sonhos, egoísmo é você deixar o mundo sem as suas ideias. Se você tem uma ideia, compartilhe com as pessoas, talvez hajam pessoas precisando delas e você está sendo egoísta em não apresentá-las ao mundo." 

Estava com saudade de escrever aqui.
Até o próximo Post!
Douglas ;)

Esta música tem me acompanhado desde o último fim de semana



*Se alguma imagem utilizada para ilustrar esta ou outra postagem pertencer a você, terei o maior prazer em acrescentar os créditos.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Mudanças...


Na vida, quase tudo muda. Quem um dia foi amigo, deixa de ser. Alguns sentimentos dentro de nós deixam de existir. Descobrimos novos mundos, novos rumos, novos sentimentos, novos amigos. Algumas mudanças, no entanto, são tão dolorosas! E o mais triste de tudo é perceber que o que um dia foi atenção, afinidade, cumplicidade, tornou-se indiferença.

Apesar da maturidade, existem coisas com as quais infelizmente não nos acostumamos ou simplesmente não aprendemos a lidar. Talvez, não por não conseguirmos, mas por não querermos. A amnésia de alguém sobre tudo o que um dia foi vivido (demonstração de ingratidão) é um desses "indesejos", especialmente quando vêm de alguém com quem foi compartilhada uma vida inteira, quem nunca poderia ser magoado, verdadeiros portos seguros em meio às tempestades inesperadas e (felizmente) passageiras pelas quais a vida, às vezes, obriga a passar.

Gente levada de nós, quem sabe, pelo tempo ("tanto tempo sem se ver por estar sem tempo, sempre correndo contra e atrás de tempo"), ou pelo mal do século: a pós-modernidade que não sabe o que é realmente importante, que não conhece o que é verdadeira amizade, pois mais afasta que aproxima, apesar de uma suposta proximidade de uma grande teia cheia de mentira, desamor e superficialidade. Onde gente se descarta, como a um objeto que se joga fora depois que se usa e não tem mais serventia.


Diante de tudo isso, o que faço é chorar. Sim, chorar. Lamentar por tudo isso no qual nunca pensei estar metido. É aí que se descobre que homem chora, sim (E como chora!). A cada decepção, a cada descarte, chora por ser usado, também por não querer se assemelhar aos que lhes fazem mal.

Seu choro não é sinal de fraqueza (Não mesmo!). Chora para não se render. Para se levantar de alma lavada e seguir em frente (Pra frente é que se anda!). Porque, se chora, é porque ainda há nele sonhos (mesmo que esses nunca venham a se realizar), amor de verdade (mesmo que nunca sejam amados), ainda consegue se colocar no lugar do outro, em atitudes de compaixão (mesmo que por ele, ninguém pense em fazer o mesmo). Seu choro evidencia que ele, acima de tudo, ainda é humano, o que pouca gente, hoje, é.